Saiba os benefícios da tecnologia para mamães

Ser mãe é padecer no paraíso. Embora seja um clichê já antigo, essa frase resume bem as dores e as delícias da maternidade. A evolução da tecnologia para mamães, porém, tem ajudado a tornar esse padecimento um pouco menos complicado.

Aplicativos, dispositivos eletrônicos e sites têm sido desenvolvidos para auxiliar as mamães em diferentes tarefas. As opções de inovação são muitas e variam do gratuito ao caríssimo. Com elas, as mamães têm uma ajuda para oferecer mais segurança e melhores cuidados ao bebê. Confira, a seguir, algumas delas!

WhyCry Plus

Uma caixinha branca bastante útil: o WhyCry ajuda os pais a descobrirem em menos de 20 segundos qual é o motivo do choro do bebê. A maquininha analisa a potência, a frequência, os padrões e o intervalo para definir o motivo do choro: fome, tédio, incômodo, cansaço ou estresse.

Sammy Screamer

O Sammy Screamer é um monitor de bebês um pouco diferente. Ele pode ser acoplado a qualquer lugar e, sempre que o aparelho detectar movimento ali, ele grita (emite um sinal sonoro com o volume escolhido e envia uma notificação para o celular). Muito útil para aquela fase em que o bebê começa a explorar os ambientes.

Baby Gigl

A alimentação do bebê sempre é uma preocupação dos pais, e o Baby Gigl pode ajudá-los: trata-se de uma base para mamadeira que tem sensores para determinar o peso e o ângulo da garrafa. O objetivo é monitorar a ingestão de ar e, assim, prevenir as cólicas. As informações são enviadas a um aplicativo de celular.

Smart Kid Scale

Monitorar o peso do bebê é uma preocupação constante das mamães. Com a Smart Kid Scale é possível acompanhar o desenvolvimento da criança até os 8 anos de idade. Os dados ficam armazenados em um aplicativo para celular.

Tony Tempa

Febre é comum na maioria das crianças. Para auxiliar a mamãe, o termômetro digital de ouvido Tony Tempa está chegando: ele vai enviar os dados da temperatura para um aplicativo no celular, bem como avaliar o que pode ser feito para amenizar o desconforto do bebê levando em conta sua idade e a temperatura detectada.

Pacif-i

A maioria dos bebês se acalma com uma chupeta. A Pacif-i tem bluetooth e, em conjunto com um aplicativo para iOS e Android, permite monitorar a temperatura do bebê continuamente.

TempTraq

Um adesivo que mede a temperatura do bebê? Sim, esse é o TempTraq. Colado no bebê, ele informa os dados de temperatura da criança em tempo real (e ainda cria um histórico) via aplicativo de celular. É uma ótima forma de ficar de olho na evolução do quadro de saúde do pequeno.

mamaRoo

Controlada por um aplicativo de celular, a cadeirinha mamaRoo, além de deixar o bebê confortável, o tranquiliza: ela imita os movimentos do colo dos pais e tem um móbile que distrai a criança com sons da natureza ou músicas escolhidas diretamente pelos pais.

Origami

Os carrinhos de passeio são fundamentais para o dia a dia das mamães. O Origami é um modelo bastante prático: um único botão permite abri-lo e fechá-lo facilmente. É compacto e ainda permite carregar o seu celular enquanto dá uma voltinha.

E então, está preparada para incluir a tecnologia para mamães no dia a dia do seu relacionamento com o bebê? Entre em contato com a gente para conhecer soluções que estão ao alcance da sua necessidade!

Saiba mais sobre as melhores frutas para bebês!

O leite materno é um alimento completo e oferece ao bebê todos os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento. Após os seis meses, o bebê deve ter sua dieta complementada com outros alimentos, como frutas e legumes.

A introdução desses alimentos vai melhorar a relação do pequeno com a comida e tornar sua dieta mais saudável. As frutas podem ser oferecidas em sucos, purês ou ao natural, dependendo da aceitação da criança.

Durante a introdução de alimentos sólidos é essencial ter atenção com o que o pequeno come. Não basta apenas incluir qualquer fruta e legume no cardápio, pois é necessário acertar nas escolhas.

A seguir você vai saber mais sobre as 7 melhores frutas para bebês e, assim, fornecer tudo que o pequeno precisa. Confira!

Banana

A banana é uma das frutas que podem ser oferecidas ao bebê a partir dos seis meses. Ela é rica em potássio, fibras e vitaminas, o que a torna uma ótima aliada para a saúde do pequeno.

Além de evitar cãibras musculares, seu consumo ajuda a regular o intestino, o que pode ser ótimo para os pequenos que sofrem com a diarreia ou cólicas.

Maçã

A maçã também pode ser introduzida na alimentação do bebê e é uma fruta rica em água, fibras e vitaminas.

O consumo da maçã ajuda a soltar o intestino preso, sendo uma boa aliada para aqueles que sentem esse desconforto.

A fruta também auxilia no controle da diabetes devido ao seu baixo nível glicêmico.

Pera

A pera conta com vitaminas do complexo B e C e fibras, além de outros nutrientes em sua composição.

Ela ajuda na retenção de cálcio — o que fortalece os ossos — e melhora o sistema imunológico; Assim previne doenças e, de quebra, é de fácil digestão.

Melancia

Já a melancia é rica em vitaminas, ferro, cálcio e potássio, além de ter 90% de água.

Ela ajuda a melhorar o funcionamento dos rins, impede a diabetes, fortalece os ossos e ajuda a produzir anticorpos.

Melão

O melão é mais uma opção para incluir no cardápio nessa fase, sendo rico em potássio, vitamina A e C e outros nutrientes.

Entre seus diversos benefícios estão o aumento da resistência do sistema imunológico, proteção dos olhos e pulmões e fortalecimento dos ossos.

Mamão

O mamão é rico em ferro, cálcio, potássio e vitaminas. Sua ingestão ajuda a fortalecer o sistema imunológico do bebê, protege os olhos e diminui o colesterol ruim.

Além disso, suas fibras ajudam o funcionamento do intestino, aliviando o incômodo das crianças que têm problemas nesse sentido.

Laranja

A laranja é rica em vitamina C, uma excelente aliada na hora de proteger o organismo de gripes, resfriados e outras doenças.

A fruta também tem fibras e proteínas em sua composição, as quais ajudam a normalizar o intestino preso.

Mas como oferecer as melhores frutas para bebês?

Para ter certeza de que você está fornecendo as melhores frutas para o seu bebê é essencial observar alguns pontos.

Na hora de comprar frutas, prefira as que estão na época, já que as vendidas fora do tempo contam com substâncias nocivas para que fiquem maduras. Opte pelas feiras orgânicas, em que as frutas não contêm agrotóxicos.

Além disso, evite oferecer frutas arredondadas e pequenas in natura, como uvas. Elas podem fazer com que a criança engasgue. Por isso, prefira cortá-las em pedaços menores e de mais fácil ingestão.

No mais, o bebê pode comer todo tipo de fruta, até mesmo as cítricas. O importante é nunca obrigar o pequeno a comer mais do que ele aguenta e consultar o pediatra sempre que necessário.

As frutas compõem parte importante da alimentação dos bebês e, por isso, devem ser escolhidas levando em conta suas propriedades e se são da época. Ao oferecer as melhores opções, o pequeno terá contato com diferentes texturas e vai ter um cardápio mais vasto!

Gostou do artigo? Que tal compartilhar nas redes sociais e deixar outras famílias por dentro do assunto?

Veja 4 alternativas se não deseja usar babás eletrônicas

É natural que uma mãe se preocupe com o bem-estar de seu filho. A insegurança pode ser ainda maior na hora de dormir, pois, ao mesmo tempo em que o corpo requer descanso, o coração da mãe pede: “fique de olho”.

Apesar de as babás eletrônicas serem uma solução comum, elas nem sempre são a melhor. Então, como garantir que o bebê não precisa de atenção ou ajuda sem ficar o tempo todo por perto? Que outros métodos podem ser utilizados?

Descubra neste post!

Saiba por que não usar babás eletrônicas

Antigamente, as babás eletrônicas eram os aparelhos mais modernos do mercado para monitoramento dos pequenos. Porém, os anos passaram e a tecnologia avançou muito, oferecendo outras opções para os pais

Além disso, um estudo realizado por 2 analistas de segurança da Rapid identificou falhas nesses aparelhos. Segundo os pesquisadores, quando eles estão conectados à internet eles não têm dispositivos eficientes de segurança, como criptografia.

Ainda, as senhas utilizadas pelos usuários geralmente são fáceis de serem descobertas, o que permite a invasão do dispositivo e acompanhamento em tempo real da criança por terceiros.

Conheça os aplicativos que podem te ajudar

O mercado já oferece diversas possibilidades para os pais monitorarem o crescimento e o bem-estar do bebê. Entre essas opções estão os aplicativos de celulares. Conheça alguns deles:

1. Mãe Coruja

Esse aplicativo é disponibilizado para iOS e funciona praticamente como um caderno virtual. Com ele, a mãe pode gerenciar os horários do sono, trocas de fraldas e de amamentação. Também é possível colocar um alerta nos horários em que é preciso dar uma medicação para a criança.

Ele pode ser baixado gratuitamente, mas tem algumas funções pagas.

2. Dormi – Baby Monitor

É um aplicativo para celulares ou tablets que utilizam sistema Android. Ele tem sistema de áudio e vídeo que utiliza a câmera do telefone. Assim, consegue detectar quando a criança chora e pode ser usado em mais de um aparelho.

Além disso, o app usa criptografia para manter em segurança as informações da família. Ele ainda notifica os pais quando estão em alguma ligação telefônica sem interromper a conversa.

O programa é oferecido gratuitamente por 4 horas ao mês. Para usá-lo mais tempo, é preciso realizar a compra das funções desejadas.

Conheça os gadgets para cuidar do bebê

3. Paxie

É uma pulseira que pode ser colocada na criança capaz de monitorar os batimentos cardíacos e a temperatura. O gadget também tem um GPS para acompanhar o deslocamento do bebê. Todos os dados podem ser visualizados pelo smartphone ou iPhone.

O equipamento tem um preço em dólar e um custo mensal de manutenção.

4. Baby Hug

Outra opção para quem quer acompanhar todos os detalhes do bebê é o Baby Hug, um gadget wearable em formato de button. Ele tem Bluetooth, podendo ser conectado a aparelhos Android e iOS.

O equipamento tem tamanho compatível com as normas de segurança e acompanha ao vivo os passos da criança. Ele pode ser conectado a vários celulares e permite que os pais ouçam e vejam o bebê de qualquer lugar.

Ainda emite sinais para as situações que os pais desejarem, como alertas sobre os movimentos, distanciamentos e barulhos. Além disso, tem como vantagem a possibilidade de ser comprado em lojas populares.

Atualmente, as mães contam com muitas opções que substituem as tradicionais babás eletrônicas para monitorar o bem-estar dos filhos, mesmo quando estão longe. Quer saber mais sobre o universo infantil? Assine nossa newsletter e receba todas as novidades no seu e-mail!

5 dicas para evitar mastite

É muito comum que as mamães de primeira viagem tenham muitas dúvidas em relação à amamentação. Uma delas é como evitar mastite, um tema que costuma ser motivo de grande preocupação.

Para quem nunca amamentou na vida, é muito comum não saber direito o que é esse problema, quais são seus sintomas e como se prevenir.

Além do mais, por ser um assunto cheio de mitos e tabus, é preciso estar bastante informada para atravessar essa fase da melhor maneira possível.

Foi pensando em tudo isso que resolvemos esclarecer algumas questões relacionadas a esse tópico e dar dicas essenciais para se proteger da mastite. Confira a seguir!

O que é mastite?

Mastite é basicamente uma inflamação na mama que pode ser causada por diversos motivos.

O mais comum deles é o acúmulo do leite que retorna para o organismo, ingressa nos vasos sanguíneos e passa a ser tratado como um “corpo estranho”. Dessa forma, o corpo da mulher passa a combatê-lo.

A mastite, porém, pode ter outras causas: bactérias que penetram na região da mama — facilitadas pela presença de fissuras/rachaduras — ou ainda disfunções hormonais.

Os principais sintomas da mastite são:

  • endurecimento da mama seguido de dor, vermelhidão e aquecimento da região;

  • febres;

  • calafrios;

  • mal-estar geral, semelhante aos sintomas da gripe.

Como evitar mastite?

A mastite pode ser prevenida com algumas dicas simples que vão melhorar sua qualidade de vida durante o período da amamentação. Confira:

1. Evite o estresse

O estresse pode causar o empedramento do leite e, provavelmente, a consequência disso será a mastite. Logo, é importante se manter serena e curtir essa fase com toda a tranquilidade.

Uma dica é aproveitar os momentos em que o bebê dormir durante o dia para descansar também.

2. Observe as roupas que está usando

As roupas — principalmente o sutiã — precisam estar sempre limpas e devem ser de um tecido que favoreça a transpiração natural da pele. Um dos mais indicados é a microfibra. Além disso, os sutiãs estilo meia-taça devem dar lugar a modelos mais confortáveis.

Caso a mama esteja “vazando” e melando o sutiã, é recomendado proceder com a retirada manual do leite seguida de uma higienização e troca da peça.

Nada de deixar o leite jorrar e umedecer a roupa. Esse tipo de ambiente úmido e abafado favorece o surgimento de fungos e bactérias.

3. Cuide da higiene da mama

A mama deve ser higienizada cuidadosamente a cada mamada. Para isso, use um pano limpo embebido em água.

Nem é preciso mencionar que as mãos devem estar extremamente limpas durante todo o processo de amamentação e durante a limpeza da mama também.

4. Mantenha o mamilo hidratado

Para evitar que surjam rachaduras e fissuras que possibilitem a entrada de bactérias no organismo da mãe, é fundamental manter o mamilo hidratado.

Já existem no mercado alguns cremes específicos para isso. Vale consultar seu médico e saber qual produto ele indica.

5. Verifique se o bebê está pegando a mama corretamente

Se o leite estiver fluindo na quantidade adequada para o bebê se sentir satisfeito, dificilmente a mãe vai sofrer os incômodos gerados pela mastite.

Assim, é fundamental observar se o bebê está abocanhando o peito de tal forma que o fluxo de leite seja contínuo o suficiente para saciá-lo.

Qualquer reação diferente, como choro ou inquietação, deve ser considerada com o intuito de corrigir essa questão o quanto antes para justamente evitar outros problemas.

Gostou de conhecer essas 5 dicas sobre como evitar mastite? Tem mais alguma informação interessante sobre o assunto que gostaria de compartilhar? Deixe um comentário!